Cadê as lutas classistas dos militares ? Ou as entidades se movimentam ou os policiais e bombeiros militares ficarão chupando dedo em 2019, sem nenhuma demanda

 Após duas greves dos policiais e bombeiros militares em 2011 e 2014, o que de fato avançou?

Fazendo uma pequena retrospectiva dos últimos dois governos, o que de concreto avançou foram apenas duas tabelas de reposição salarial, que com o passar dos anos perderam seu valor pela inflação e desvalorização da moeda nacional.

As principais demandas e lutas que desencadearam os movimentos grevistas ficaram estacionadas, entre elas: o Código de Ética, a Lei de Promoção e a Jornada de Trabalho. Esses itens pouco ou quase nada avançaram.

Os policiais militares e bombeiros ainda continuam com essas demandas que até o presente momento não foram cumpridas pelo atual governo,

Se as entidades militares não se movimentarem e aproveitarem esse período eleitoral para negociarem essas demandas, corre o sério risco dessas pautas, frutos das greves, ficarem enterradas para sempre. Fica a dica para as lideranças.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *