Promotor de Justiça xinga e agride PM durante confusão no Castelão

imirante

Incidente aconteceu no setor da torcida do Paysandu. – Gustavo Arruda/Imirante

Ampem diz que promotor foi agredido por policiais que “mancham” a Polícia Militar.

SÃO LUÍS – Xingamentos e agressões viraram caso de polícia. Os envolvidos: um promotor de Justiça do Pará e uma policial militar do Maranhão. Este foi o resultado de uma confusão ocorrida no último sábado (24) durante a partida entre Sampaio Corrêa e Paysandu pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B. O incidente foi motivo para que a Associação do Ministério Público do Maranhão (Ampem) e Polícia Militar (PM-MA) emitissem notas de esclarecimento. Confira as notas da Ampem e da PM-MA na íntegra.

Mas o que exatamente houve no Estádio Castelão no sábado? De acordo com a PM, policiais militares foram acionados a intervir na torcida do Paysandu quando alguns torcedores começaram a realizar ofensas verbais e a arremessar objetos. No entanto, a participação policial teria resultado em mais bate-boca. A confusão ficou mais séria quando o promotor de Justiça Nilton Gurjão das Chagas, membro do Ministério Público do Estado do Pará, “utilizou palavras de calão ofensivas à integridade moral” de uma policial militar.

Em nota, a PM garante que, após xingar a policial, o promotor foi além. Nilton Gurjão das Chagas teria agredido a PM no rosto. A agressão foi constatada em Exame de Corpo de Delito realizado pelo Instituto Médico Legal (IML).

No entanto, a Ampem divulgou nota onde não confirma qualquer tipo de agressão à policial. Na verdade, o órgão se solidariza com o promotor de Justiça afirmando que houve uso de força excessiva por parte dos policiais no incidente. Segundo a nota, teria sido o promotor paraense a vítima no caso, uma vez que ele teve até um ferimento na cabeça.

“Os policiais, que deveriam estar ali para garantir a segurança de todos e assegurar a ordem pública, adentraram na área reservada para a torcida do time paraense e passaram a agir com extrema violência e de forma indistinta contra aqueles torcedores, ocasião na qual também foi agredido fortemente com cassetete o Promotor de Justiça, sobre o qual resultaram lesões nos braços e um ferimento na cabeça”, diz nota divulgada pela Ampem.

A Ampem cita que tais policiais “mancham” a Polícia Militar. “É preciso que a nossa honrosa Polícia Militar tome providências urgentes para impedir que agentes estatais como esses continuem a atuar sem qualquer punição, manchando a Instituição perante a sociedade maranhense e o próprio Estado ante os visitantes que aqui chegam”.

PM na bronca

Por sua vez, a Polícia Militar discorda da nota publicada pela Ampem. A PM-MA garante que todos os procedimentos usados no incidente no Castelão foram “legais de forma imparcial e transparente”. Em sua defesa, a PM condenou as “atitudes desregradas do integrante do MP que se utilizando do cargo público que exerce, comete abuso de autoridade no momento em que agride uma policial militar no exercício de sua função”.

O órgão afirma, ainda, que todas as providências necessárias e cabíveis serão tomadas. Uma das ações será comunicar o incidente ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), “para que o autor das agressões contra os policiais militares seja exemplarmente responsabilizado, para que fatos dessa natureza não se repitam”.

Fonte: http://imirante.com

Nota da PMMA 

NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Polícia Militar do Maranhão, por meio de sua assessoria de comunicação vem tornar público e esclarecer, à nota pública de repúdio emitida no dia 26 de outro de 2015, pela associação do Ministério Público do Estado do Maranhão-AMPEM, na pessoa de seu presidente, José Augusto Cutrim Gomes, que versa sobre violência praticada por parte de alguns policiais militares contra o promotor de justiça, Nilton Gurgel das Chagas, membro do Ministério Público do Estado do Pará, no último sábado (24.10.2015) por ocasião do jogo entre os clubes de futebol Sampaio Corrêa-MA e Paysandu-PA, ocorrido no Estádio Castelão nesta capital.

DOS FATOS:

Cabe destacar que a violência ocorrida no interior do Estádio Castelão, teve sua origem nas ofensas verbais e arremessos de objetos praticados entre as torcidas dos times supramencionados, havendo a necessidade de pronta intervenção por parte da Polícia Militar para reestabelecer a ordem em benefício da realização do evento e ao bem da coletividade.
Que a respeito da ação da Polícia Militar conforme registro de ocorrência n° 13/2015 de 24 de outubro na Delegacia do Torcedor, durante a abordagem ao aludido promotor, realizada por uma policial militar, este utilizou palavras de calão ofensivas à integridade moral da mesma e como se não bastasse, o referido membro parquet agrediu fisicamente a policial feminina, causando-lhe conforme constatação do Exame de Corpo de Delito realizado pelo Instituto Médico Legal (IML) lesão no rosto. Devido a Sua ação agressiva, fora necessária a força policial de forma proporcional para conter o ato de violência praticado pelo mesmo.
Ratificamos que a entrada dos policiais na área reservada para a torcida do time paraense, deu-se iminentemente para cessar o comportamento inadequado de alguns torcedores da referida torcida no interior do estádio. Tais atitudes dos torcedores contrariam os princípios de segurança em praças desportivas estabelecidos pelo Estatuto do Torcedor.
Destacamos que os policiais militares empregados neste tipo de policiamento recebem o devido treinamento durante sua formação profissional para atuarem nesta modalidade de policiamento, tendo também, sua aprovação pela Federação Maranhense de Futebol e pelas torcidas organizadas. Fica o registro que não foi observada, nenhuma ocorrência desta natureza nos últimos vinte jogos.
A PMMA esclarece que realizou todos os procedimentos legais de forma imparcial e transparente, agindo assim, de forma profissional tomando as seguintes providências: identificação de autores e vítimas e suas conduções à autoridade judiciária na Delegacia do Torcedor, bem como a viabilização dos primeiros socorros aos lesionados.
A PMMA vem confirmar seu compromisso com a sociedade em defesa dos direitos dos cidadãos e em especial das famílias.
Diante do exposto, a PMMA lamenta, condena e não coaduna com as atitudes desregradas do integrante do MP que se utilizando do cargo público que exerce, comete abuso de autoridade no momento em que agride uma policial militar no exercício de sua função.
O comando da corporação irá tomar todas as providências necessárias e cabíveis, comunicando o fato ocorrido, inclusive ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), para que o autor das agressões contra os policiais militares seja exemplarmente responsabilizado, para que fatos dessa natureza não se repitam.
A Polícia Militar do Maranhão reitera e corrobora com o Ministério Público, que fatos desta natureza não condizem com o verdadeiro papel desempenhado pelos integrantes das seculares instituições MP e PMMA na construção de uma sociedade mais justa e igualitária, tratando-se apenas neste caso, de um fato isolado e que de forma alguma abala a parceria e o excelente relacionamento existente entre às instituições.

São Luís, 26 de outubro de 2015.

Assessoria de Comunicação da PMMA.

Fonte: http://www.pm.ma.gov.br

10 thoughts on “Promotor de Justiça xinga e agride PM durante confusão no Castelão

  1. Gostei das Palavras do nosso Major.
    Valeu major

    MAJOR TRINTA JUNIOR – 27/10/2015

    SENHORES POLICIAIS, SENHORES PROMOTORES DO BEM, SOCIEDADE MARANHENSE,

    É LAMENTÁVEL QUE UM MEMBRO DO MP DO PARÁ, QUE DIGA-SE, NÃO TEM NADA HAVER COM O MARANHÃO, AGRIDA FÍSICA E MORALMENTE UMA PM COVARDEMENTE. E AINDA QUEREM COBRAR NÃO CORPORATIVISMO DA PM, JÁ QUE DEMONSTRAM CLARAMENTE QUE PERDERAM A CREDIBILIDADE, PELO MENOS A AMPEM, PARA COBRAR MORAL DE OUTRAS INSTITUIÇÕES.

    SENHORES E SENHORAS DO MARANHÃO E ALEM MAR, É LAMENTÁVEL QUE UM ÓRGÃO QUE SE DIZ E SABEMOS SER FISCALIZADOR DA ATIVIDADE POLICIAL EXTERNA, DA BOA PROBIDADE E CONSTITUCIONALMENTE DEFESA DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICA AJA NO SONETO, PIOR QUE A EMENDA, AO LANÇAR NOTA MENTIROSA, FRAUDULENTA, TENTANDO PROTEGER UM MEMBRO DO “PARQUET DE OUTRA CORPORAÇÃO QUE NEM CONHECE, DISSIMULANDO OS FATOS REAIS.

    TODOS OS TORCEDORES E IMPRENSA SABE QUE ESTE COVARDE AGRESSOR, QUE TENHO CERTEZA NÃO REPRESENTAR O SALUTAR MP, AO CONTRÁRIO DE QUE TENTA MACULAR A IMAGEM DA POLICIAL E DA PM, ASSIM COMO O PIOR FEZ A NOTA DA AMPEM. PERGUNTO, QUE MORAL TEM OU QUER TER ESSA ENTIDADE DE CLASSE PARA COBRAR DE OUTRO ÓRGÃO SERIEDADE, SE DEIXA-SE LEVAR PELA EMOÇÃO E PAIXÃO PARA PERJURAR CONTRA A CONSCIÊNCIA E INTELIGÊNCIA DO POVO MARANHENSE?

  2. cara na boa eu sendo um policial e um cidadão desse chegar e me bater (AGRESSÃO FÍSICA), muito naturalmente eu usaria o direito de ampla defesa, contra os xingamentos com certeza ele iria para uma delegacia. esse povo dá uma de doido contra servidores do bem, quero ver dá uma de doido contra bandidos, vai lá juiz, promotor, quando vc olhar um assalto na rua, bata no peito e diga: você está preso eu sou fulano de tal.

  3. Boa tarde, esperamos sensatez do Governador do Estado, estou exercendo somente o nosso direito de representação,
    Atitudes como essa maculam demais a imagem de um governo, que se diz democrático, é a negação de direitos fundamentais, é a perpetuação de práticas arcaicas e obscenas, situações como essa precisam ser abolidas, precisamos de uma instituição progressista, de comandantes que estejam abertos a novas idéias, já basta.
    Precisamos e esperamos a Polícia que o Senhor Governador prometeu na campanha, quando ela chegará?

    Alexandre leite

  4. Perseguição…

    Estou preocupada sim e não só preocupada mas indignada com a situação do Leite e dos demais companheiros q estão sofrendo retaliações.
    Hj mesmo um Sgt da CPGD foi transferido para a USC do Coroadinho por defender publicamente m entrevista ao programa do Silvam Alves em S. Luis a causa dos PMs transferidos. Vai responder também a processo administrativo por ter se emocionado em seu discurso e chamado tando o Cmt geral quanto o governador de incompetentes.
    Mas, msm q se prejudicando, esse Sgt antigo q esta à beira da reforma expôs seu pensamento e está sendo rexassado para q os demais abaixem suas cabeças.
    Mas temos sim q reagir, fazer algo, indignarmos..

  5. EU ESTAVA NO ESTADIO CASTELAO E AO LADO DO PROMOTOR NILTON GURJAO QUE AO VER UM TORCEDOR SENDO LEVADO PRESO E ESPANCADO PELA PM, SE DIRIGIU A PM PRA PEDIR COERENCIA, O QUE CULMINOU C A DISCUSSAO COM A POLICIAL MILITAR E DEMAIS, DEVERIAM TER IMOBILIZADO O PROMOTOR E DADO VOZ DE PRISAO. ISTO SIM DEVERIA SER O PROCEDIMENTO CORRETO, UMA VEZ QUE OUVE DESACATO POR PARTE DO PROMOTOR. EM VEZ DISSO, HOUVE UMA SUCESSAO DE AGRESSAO COM CASSETETES QUE O DEIXARAM COMPLETAMENTE MACHUCADO COM SANGRAMENTO NA CABECA E HEMATOMAS NA TESTA DO MESMO. EU ASSISTI A TUDO E INCLUSIVE FALEI A UM POLICIAL QUE SE TRATAVA DE UM PROMOTOR DE JUSTICA DO PARA, RECEBENDO COMO RESPOSTA DE UM TRUCULENTO PM DE QUE ELE ERA PROMOTOR NA TERRA DELE, MAS LA QUEM DAVA ORDENS ERA A PM. VALE RESSALTAR O DESPREPARO DA PM DO MARANHAO, POIS OS DITOS POLICIAIS AINDA SAO CADETES E SEM A COMPANHIA DE NENHUM OFICIAL P COMANDA-LOS. FICA AQUI O MEU PROTESTO COMO PARAENSE PELA BARBARIE QUE SE ESTENDEU INCLUSIVE A IRMA DO MEMBRO DO MP, QUE SAIU LESIONADA TAMBEM NA TENTATIVA DE DEFENDE-LO. ACABOU COM HEMATOMAS NA TESTA E NA MAO. QUE SIRVA DE EXEMPLO PARA QUE EPISODIOS COMO ESTE NAO SE REPITAM.

    1. Axo q VC não estava lá nao, mesmo por q a polícia estava intervindo nas duas torcidas pedindo pra se acalmar,e segundo alguns torcedores q estavam lá falaram q foi quando o promotor deu um tapa no rosto de uma cadete feminina q a mesma caiu no chão e não conseguia nem se levantar, axo q naquele momento ela nem sabia quem tinha atropelado ela, aí o referido agressor começou a falar q ele era promotor pensando q ia intimidar os policiais…

  6. É como esse nobre Cavalcanti falou, e é a mais pura verdade, tem muita gente q faz com pessoas do bem, mas não fazem com um bandido( esse povo dá uma de doido contra servidores do bem, quero ver dá uma de doido contra bandidos, vai lá juiz, promotor, quando vc olhar um assalto na rua, bata no peito e diga: você está preso eu sou fulano de tal.)

  7. na verdade quem deveria ter levado as paulada era tu seu Silas por falar demais, puxa saco, vc e quem tava fazendo bagunça, quem e vc para vir do para para fazer quebra-quebra aqui, tem e que respeitar não só os policias mais o povo maranhense, respeite

  8. É mais uma deste promotor,que usa seu cargo em benefício próprio, uniu-se ao seu pai o advogado raposa e uma desembargadora para articular o despejo da minha família em favor de uma pessoa morta, eles ressuscitam mortos para ocuparem meu imóvel com as suas devidas famílias. Isso é a justiça do Pará.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *